A FÁBRICA

DE
RICARDO BOFILL

O primeiro encontro de Ricardo Bofill Levi com a fábrica de cimento ocorreu em 1973. Dirigindo para os subúrbios ocidentais de Barcelona, ​​a paisagem em Sant Just Desvern apresentava blocos de concreto, enormes silos, chaminés exalando fumaça. Ainda ativo na época, o complexo industrial de 31 mil metros quadrados seria desmontado um mês depois dessa visita. Para o arquiteto, foi a oportunidade perfeita para saciar seu desejo de espaço. Cuidando daquela fábrica decadente, ele poderia dar-lhe uma segunda vida. Transformando-a em sua casa estúdio surpreendente.
O trabalho de remodelação durou dois anos. A fábrica, abandonada e parcialmente em ruínas, era um compêndio de elementos surrealistas: escadas que subiam para lugar nenhum, poderosas estruturas de concreto armado que nada sustentavam, pedaços de ferro suspensos no ar, enormes espaços vazios preenchidos, no entanto, com a magia.
Não há causas perdidas na arquitetura.