GIANFRANCO FRATTINI

O ESPAÇO COMO CONTÍNUO,
A BELEZA DA PRECISÃO.

Há pessoas que têm a sorte de ter uma visão na vida. Uma visão teórica, uma filosofia, um conceito: chame como quiser, mas no fundo se resume a uma maneira de ver as coisas. Um ponto de vista claro, uma ideia que eles defendem e defendem, com a intenção de fazer a sua parte para cuidar do mundo. Ter uma visão clara, estabelecer uma, ser um dos marcos da história, pelo menos em uma área da evolução humana, é um privilégio. Significa abrir um sulco, deixar uma marca no mundo, criar algo que será sempre significativo e memorável. Provavelmente se torna uma missão, até o ponto de obsessão, mas sem dúvida significará conseguir dar algo aos outros.
Foi assim que funcionou para Gianfranco Frattini. A sua visão modernista da arquitetura e do design italiano fez história, dando origem a uma nova forma de conceber o espaço, visto como um contínuo, um conceito único, a fusão de ideias, materiais e cores.
De fato, nas obras do famoso arquiteto milanês, o design é quase holístico por natureza. Cada elemento, cada detalhe, deve ser desenhado e desenvolvido com a devida consideração a todos os outros, desde a construção arquitetônica ao mobiliário que conterá, aos objetos colocados sobre ou no mobiliário, à luz que iluminará os ambientes: tudo é parte de um todo e vive dentro do todo.
Gianfranco Frattini revoluciona a arquitetura de interiores com a beleza do rigor, em que o projeto se torna abrangente e onde nada pode ser casual. Aluno e amigo de Gio Ponti, ele o considerava seu mestre insubstituível.
Frattini pôde conhecer pessoalmente algumas das maiores mentes da arquitetura moderna, incluindo o francês Le Corbusier e o brasileiro Niemeyer. O modernismo arquitetônico brasileiro o fascinou profundamente, e nas coleções Tacchini Italia Forniture, é interessante ver como o modernismo brasileiro e italiano parecem quase retomar o diálogo entre si no mais alto nível.