ALVINO BAGNI | ITÁLIA

Alvino Bagni nasceu em Lastra a Signa, Itália, em 1919, e desde jovem começou a se interessar pela cerâmica, que era uma indústria importante na época nos arredores de Signa e Montelupo (Florença).

Graças aos ensinamentos de um artista idoso, Torello Santini, conseguiu um emprego na oficina da fábrica de cerâmica de Arnaldo Pugi. Após a Segunda Guerra Mundial, Pugi deu a Bagni o apoio financeiro para ajudá-lo a abrir sua própria oficina. A história de Ceramiche Bagni começou. Alvino levou consigo vários familiares, principalmente sua esposa Gina, que o acompanhou ao longo de sua carreira.

Os anos 50 e 60 foram de fundamental importância para a empresa Bagni, que conseguiu estabelecer relações privilegiadas com diversos nomes importantes do design e dos negócios americanos, entre eles Raymor (NY) e Rosenthal, para quem criou peças extremamente modernas para a época.

Em 1970, a empresa mudou-se para uma fábrica maior e mais moderna, onde conseguiu acelerar os negócios. Aqui Alvino cercou-se de colaboradores e artistas altamente qualificados, como E. Borgini, M. Mannori, R. Buti, M. Santonocito e tantos outros, com os quais alcançou um equilíbrio perfeito entre o material, a técnica e a estética.

Em 1980, a fábrica tinha até 100 funcionários e era conhecida por sua produção artística de alta qualidade, objetos elegantes e o uso de novas técnicas experimentais. Conforme o mundo do trabalho mudou, Tornando-se cada vez mais globalizada e aberta a novas competições, a empresa se viu em dificuldades. Amarrado como estava à sua abordagem “artesanal”, lutou para suportar a queda excessiva dos preços… apesar de todos os seus esforços para salvar seus funcionários e sua fábrica, em 1990 fechou para sempre. No entanto, em 93 ele estava de volta ao jogo com o novo empreendimento Nuove Forme, até que se aposentou oito anos depois por motivos de saúde. Alvino faleceu em 2009 aos 90 anos. A sua carreira foi uma fascinante viagem cheia de modéstia, habilidade técnica, paixão e criatividade.